Páginas

Resenha: O Menino dos Fantoches de Varsóvia - Eva Weaver


ISBN: 9788581634173

Número de páginas: 400
Encadernação: Brochura
Ano Edição: 2014
Livro cedido em parceria com a Editora Novo Conceito.


Sinopse: Mesmo diante de uma vida extremamente difícil, há esperança. E às vezes essa esperança vem na forma de um garotinho, armado com uma trupe de marionetes – um príncipe, uma menina, um bobo da corte, um crocodilo... O avô de Mika morreu no gueto de Varsóvia, e o menino herdou não apenas o seu grande casaco, mas também um tesouro cheio de segredos. Em um bolso meio escondido, ele encontra uma cabeça de papel machê, um retalho... o príncipe. E um teatro de marionetes seria uma maneira incrível de alegrar o primo que acabou de perder o pai, o menininho que está doente, os vizinhos que moram em um quartinho apertado. Logo o gueto inteiro só fala do mestre das marionetes – até chegar o dia em que Mika é parado por um oficial alemão e empurrado para uma vida obscura. Esta é uma história sobre sobrevivência. Uma jornada épica, que atravessa continentes e gerações, de Varsóvia à Sibéria, e duas vidas que se entrelaçam em meio ao caos da guerra. Porque mesmo em tempo de guerra existe esperança.

A primeira coisa que virá à sua mente ao ver esse livro, provavelmente será "O menino do pijama listrado" e "A menina que roubava livros". É inevitável fazer essa comparação imediata. Mas ao começar a leitura, você percebe que as similaridades ficam no fato dessas histórias se passarem durante a guerra.

Este é um livro bastante interessante por misturar fatos da história mundial com personagens fictícios e reais. Um pouco monótono em algumas partes do início, mas torna-se cada vez mais interessante com o decorrer da leitura. Dividido em três partes, o livro conta primeiro a versão de Mika(personagem principal) e tudo que ele passa no tempo que ficou em Varsóvia. Na segunda parte vemos a versão do soldado alemão Max durante sua jornada após o exército russo se sobrepor ao alemão. E na terceira e última, temos o desfecho da história no tempo atual com um Mika já avô.

"Sem o casaco, nada teria ocorrido como ocorreu. Era apenas uma testemunha no início de tudo, mas quando adquiriu os bolsos internos, ele se tornou cúmplice."

"O menino dos fantoches de Varsóvia" conta a história de Mika, um menino judeu que levava uma vida feliz com sua mãe e seu avô. O avô de Mika é um conhecido professor de matemática na Universidade de Varsóvia e o primeiro dono do casaco que faria parte da vida de Mika por muito tempo. Tudo corria bem até o dia em que Varsóvia foi invadida pelos alemães, sendo o primeiro local a ser tomado pelos seguidores de Hitler, que fizeram uma "limpeza" pelas ruas. Todo judeu deveria ser separado dos demais cidadãos. 
Sendo assim, foram levados para uma pequena área afastada conhecida como gueto, que nada mais era que uma prisão a céu aberto, patrulhada 24h e onde não se podia ser visto após o toque de recolher.

Foi nesse novo mundo que Mika viu o avô ser morto brutalmente, mas não sem antes deixar de herança para ele o seu querido sobretudo preto repleto de bolsos. Morando num apartamento pequeno com sua mãe, sua tia, primos e mais outra família, Mika descobre um pequeno mundo de fantoches escondido no cômodo onde seu avô costumava passar horas trancado sem ser incomodado. Aos poucos o interesse do garoto pelos bonecos aumenta e ele passa a dividir o segredo com sua prima Ellie. Juntos, eles montam pequenos espetáculos para distrair família e amigos dos horrores que eles passam com a guerra. Acabam ficando famosos no local por conta das apresentações e começam a ser chamados pra se apresentar em troca de pequenas porções de comida e suprimentos, que são cada vez mais escassos para eles. Um certo dia, Mika usa um de seus fantoches para interferir no momento que soldados abordavam uma senhora na rua de modo abusivo. Isso chama a atenção de Max, um dos soldados, para o talento do garoto. 
foto do instagram @biancaprs 

Mika é chamado para se encontrar naquela mesma noite com esse soldado na fronteira entre a cidade e o gueto. A partir desse momento, Mika tem o compromisso semanal de distrair os soldados nazistas após o expediente de trabalho, fazendo com que ele se sinta um traidor por distrair aqueles que diariamente acabam com a vida da sua gente. O que ele não contava é que Max era diferente de tudo que ele pensava sobre todos os outros soldados. Max se arriscava vez ou outra para ajudar Mika, o que na cabeça do menino era incompreensível, porque aquele cuidado que o soldado tinha com ele não combinava com atos do mesmo quando estava em ação no gueto.

Nesse período, o casaco passa a ser de suma importância por ser capaz de esconder toda sorte de "contrabandos" em seus bolsos internos. Com a ajuda da prima e de pessoas anti-nazistas (judias ou não), Mika se vê num papel importante junto com seu casaco, contrabandeando comidas e remédios para o gueto e retirando de lá crianças que teriam chances de sobreviver na antiga Varsóvia.

Nessa jornada passamos a conhecer melhor os fantoches que Mika fez, os que ele fez com a ajuda da prima e os que o avô dele já havia feito em vida. O príncipe é o fantoche mais querido do garoto e de importância equivalente ao casaco nessa história, pois ambos são testemunhas de tudo pelo que o menino passou. Mas num determinado momento, essas duas peças essenciais na vida de Mika são separadas quando o garoto decide dar o fantoche para Max que tem um filho da mesma idade de Mika.

Todos os acontecimentos da guerra se desenvolvem sem que Mika se separe do casaco, conforme prometeu ao avô em seu leito de morte. Mas será que Mika voltaria a reencontrar seu amado príncipe? No início do livro vemos que Mika sobrevive à guerra e que ainda mantém o casaco guardado, mas será que Max também sobrevive? E se sobrevive, ele ainda tem o príncipe consigo?

"O menino dos fantoches de Varsóvia" é um livro um pouco pesado pela complexidade dos personagens, relacionada aos acontecimentos reais da II Guerra Mundial, mas que vale cada página contida nele. A escritora Eva Weaver soube amarrar de modo brilhante os acontecimentos da guerra com os personagens em diferentes lugares e épocas. Uma simples resenha não seria capaz de abranger a quantidade de detalhes e sensações que esse livro é capaz de proporcionar.

"...ninguém nunca será capaz de se separar do próprio passado, de suas próprias memórias ou da terra sobre a qual aprendeu a andar. Assim como o sangue que flui por nossas veias, nossas memórias continuam a viver profundamente dentro de nós, entalhadas como hieróglifos em nossas almas."

Bianca Pimentel 
Bia, nova colunista do blog. JOE MAC GIRL, Backstreet fan and Galaxy Defender. Rubro negra, também é da Grifinória, adora Harry Potter e Jogos Vorazes. Sonha um dia ser Sra. MAC, nas horas vagas divide o amor entre Joey NKOTB, Livros e Tom Fletcher. Segue ai fia! @biancaprs

28 comentários

  1. Ta um livro que quero ler, mesmo sendo complexo e por muitas vezes livros assim não me atrai, mas com certeza darei um chance ^^
    http://contodeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente,Brubs. Tem uns livros q a gente cansa só de imaginar a leitura,já sabe q vai ser cansativo. Mas esse é mto bom! Vale o "esforço" p passar a parte chatinha e embalar a leitura.

      Excluir
  2. Não conhecia o livro, mas o mesmo me chamou muito atenção só por bater os olhos na capa. Sua resenha me fez ter certeza que se eu ler não irei me arrepender. Mesmo sendo em alguns momentos complexo, como você mesma disse, me parece uma leitura que nos enche de emoção e envolve. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso,Renato! É uma leitura mto bonita e interessante. Demorei um pouquinho p ler,mas qnd peguei o embalo,fluiu bem legal. ;)

      Bianca

      Excluir
  3. Oi,
    Confesso que estava com um pé atrás com esse livro, mas depois da sua resenha foi ter que ler! Rs
    Bjs!
    Viciados Pela Leitura

    ResponderExcluir
  4. Adoro livros com esse tema... inclusive os 2 que você o comparou eu li e adorei...

    http://corujicesnomundo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm,Aline! Me deu vontade de ler,assim q bati os olhos nele. <3

      Excluir
  5. Acredita que esta é a primeira resenha que vejo deste livro? E é uma ótima resenha. Parabéns. Tenho o livro mas fiquei pensando se lia agora ou depois porque adoro temas com a guerra. Acho que vou gostar demais dele.

    Greice
    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mto obrigada,Greice! Fico feliz q tenha gostado. Pra quem gosta dessa temática,tem td p gostar desse livro. ;)

      Excluir
  6. Não conhecia o livro, adorei a resenha!
    Comecei a te seguir!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Eu li este livro, mas ainda não tive oportunidade de postar a resenha do mesmo.
    É realmente uma leitura tocante e provoca, no leitor, inúmeras sensações mesmo.
    Eu realmente senti a dor do protagonista durante quase toda a leitura.
    Gostei de saber sua opinião e fico feliz que tenhas gostado também.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.com

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    gostei muito da resenha, espero ler o livro e gostar tanto quanto outros que li sobre o assunto, mas não estou no momento de livros pesados, preciso de um tempo sem dor e choros.
    Obrigada pela dica.

    Bjs!
    Viciados Pela Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha espere passar esse momento e leia msm,Anne. Mto obrigada pela opinião aqui!
      Beijos

      Excluir
  9. resenha ótima beijos
    livro-azul.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Confesso que perdi a vontade de ler o livro quando vi que tudo nele, desde a capa até o título, tenta lembrar o livro O Menino do Pijama Listrado. Aí desisti, acho feio livro que quer vender se escorando em outro.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm ñ acho mto legal essa prática,Inês. Mas ao msm tempo me desperta curiosidade p saber se é tão bom qnt o "da capa original". E,nesse caso,valeu bastante a tentativa.
      Se achar q deve,dê uma chance pq é mto bom.

      ;)

      Excluir
  11. Hey
    Esse tipo de leitura vivo fugindo, tenho que estar no clima.
    Senti um nózinho só de ler do avô na resenha =/

    Como a Inês comentou, também tudo que vi nele me lembrou O Menino do Pijama Listrado, apesar de ainda não ter lido.

    Parabéns pela resenha.

    bjs e um ótimo final de semana
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Nana!
      Realmente a parte do avô dá dó.Na verdade,ñ só essa parte,mas outras tbm q fazem a gente pensar em td a situação pelas quais os personagens passam. Se puder,leia.
      Bjs

      Excluir
  12. Oi! Gostei muito da sua resenha. Não conhecia o livro e de fato quando vi a capa, me lembrei de O Menino do Pijama Listrado. Como gosto muito da história da I e II Guerras Mundiais, embora as mesmas sejam bem tristes, acho que vou gostar desse livro. Então, valeu a dica.

    Um beijo enorme,
    Doce Sabor dos Livros - Aguardo a sua visita!

    ResponderExcluir
  13. Adoro livros pesados, livros relacionados a segunda guerra mundial então...
    Morro de amores!
    Mas eu ando em um momento que nem livros leves estou conseguindo ler, então acho que por enquanto vou evitar a leitura.

    Beijos
    http://www.interacaoliteraria.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Q pena,Paula! Espero q esse momento passe logo p q vc possa ler.Com crtz vai gostar.
      Bjos

      Excluir
  14. comprei esse livro e to doida pra ler
    amo enredos de guerra, sempre aprendo muito
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade,Thaila. Esse tipo de livro,normalmente é mto interessante.Adoro!
      Obrigada pelo coment.
      Bjos

      Excluir

Gostou? Comenta!

 
Desenvolvido por Michelly Melo.